Conheça Obras de Artes , destroçadas por críticos de seu tempo

0
188
Marcel Duchamp (1887-1968): mas isso é arte? 
O que pensamos hoje: Estamos perante o artista mais influente na criação do século XX ao lado de Picasso. Se o espanhol tratou sempre de construir novos modos de expressão, o esforço de Duchamp era mais bem destrutivo. E se não o destruiu, ao menos lucrou depois ao mudar a concepção da arte, acelerando uma mudança que vinha se desenhando desde os tempos de Velázquez. Com ele, o importante já não era uma determinada habilidade técnica, mas um exercício mental: qualquer coisa podia ser considerada arte, se o artista assim o tinha decidido. Sua Fonte (1917) -na realidade, um urinol marcado com a assinatura de um tal R. Mutt-, que recentemente foi atribuído a Elsa von Freytag-Loringhoven, é uma das obras de arte mais conhecidas das primeiras vanguardas, e sua influência se estende ao pop, o movimento povera e todas as formas de arte conceitual até hoje.
O que disseram então: Lá por 1915, assim despachou duas de suas obras William B. McCormick em The New York Press: “Não é fácil levar sério como ‘arte’ tais evocações mecânicas”.

“Olympia” (1863), de Édouard Manet: a mulher gorila 

O que pensamos hoje: A partir dos olhos contemporâneos trata-se de um nu de extraordinária beleza. A combinação do sereno classicismo com a vivacidade da arte da segunda metade do XIX resulta muito sedutora. E quem quer que visite um par de bons museus em sua vida pode identificar as referências às Vênus e Dánaos de Giorgione ou Tiziano, entre outras obras mestres.
O que disseram então: Mas, então, quase ninguém viu nada disso. Ao público francês a obra pareceu de  uma fealdade insuportável, e ele foi em massa ao Salão de Paris com o único propósito de debochar daquela representação de uma prostituta gorda de olhar vicioso. Por sua vez, a crítica a comparou com um pesadelo de Edgar Allan Poe ou uma vagabunda das periferias, embora uma das definições mais celebradas tenha vindo de Amédée Cantaloube, que escreveu em Le Grand Journal: “É uma espécie de gorila fêmea, um grotesco de borracha”.

Afrescos de “A Capela Sistina” (1508-1512, 1536-1541), de Michelangelo: arte de sauna 

O que pensamos hoje: Considerada de maneira geral como a cúpula da criação humana, esta série de frescos que decoram os tetos da capela Sistina do Palácio do Vaticano é um bastião cultural indiscutível.
O que disseram então: São bem conhecidos os confrontos entre Michelangelo e o Papa Julio II durante todo o processo criativo. Segundo contava Giorgio Vasari, quando o Pap
a perguntou a seu mestre de cerimônias Biagio dá Cesena o que lhe parecia a obra, ele respondeu que aquilo parecia a decoração de banheiros públicos ou um botequim. Quiçá inspirado por estas palavras, o escritor Pietro Aretino (curiosamente conhecido por seus textos licenciosos) faria público em 1547 seu ataque contra a falta de decoro da obra em uma carta em que afirmava que a arte de Michelangelo era apropriado: “Para uma casa de banhos, não para uma capela celestial”.

“Les demoiselle s d’Avignon” (1907), de Pablo Picasso: contra o sentido comum 

O que pensamos hojeCostuma se falar dela como a obra de arte mais influente do século XX junto da Fonte de Duchamp. Podem ser encontrado nela inspirações como El Greco, a arte ibérica ou a escultura africana. Durante quase uma década mal foi vista por alguém além do meio mais próximo de seu autor, até sua apresentação pública em 1916 no Salon d’Antin, em um local que pertencia ao costureiro e amante da arte Paul Poiret.
O que disseram então: A Europa estava então em plena Guerra Mundial. E a crítica da publicação Le Cri de Paris rezava o seguinte: “Os cubistas não podem esperar que termine a guerra para recomeçar suas hostilidades contra o sentido comum”.

 

Conheça Obras de Artes ,  destroçadas por críticos de seu tempo 1Conheça Obras de Artes ,  destroçadas por críticos de seu tempo 2Conheça Obras de Artes ,  destroçadas por críticos de seu tempo 3

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here