Veja 3 curiosidades desta pintura de Edward Hopper que foi chamada de uma das ‘Imagens mais incríveis do verão’

0
214
"Morning Sun" por Hopper
As pinturas de Edward Hopper são amadas há muito tempo, mas durante a quarentena parecem repentinamente novas novamente. Suas figuras isoladas e ruas vazias parecem instantâneos estranhos da vida real. E, com o verão chegando, a pintura de Hopper, Morning Sun, de 1952,  atinge um acorde em particular – na verdade, foi  chamada de uma das “imagens mais definitivas do verão”.
Nela, uma mulher, modelada na esposa do pintor, Jo, é retratada em uma pequena camisola rosa, com os braços nus. Ela está sentada na cama com os joelhos puxados para o peito, olhando pela janela do quarto para o céu da cidade. Sombras dramáticas são projetadas nas paredes cruas atrás dela.

 

Morning Sun é uma das pinturas mais conhecidas de Hopper. Se você conhece a arte dele, provavelmente conhece esta imagem. Aqui estão três fatos sobre a pintura que podem fazer com que você a veja de uma maneira diferente.
Admiração por Degas,
Ele viajou para Paris frequentemente como um jovem artista. Lá, ele ficou particularmente impressionado com o trabalho de Edgar Degas. Hopper compartilhava o interesse de Degas tanto no teatro – Degas adorava os bastidores do balé, a arte de Hopper é cheia de cinemas – e os prazeres às vezes grosseiros da vida contemporânea. Essa influência foi ainda mais cimentada quando, em 1924, ano em que Hopper e Jo Nivison se casaram, ela presenteou-a com uma cópia de Degas, de Paul Jamot, uma nova publicação elaborada sobre o pintor.
De Degas, Hopper adotou o forte uso de diagonais e o corte severo, quase fotográfico, do plano da imagem, visível aqui no Sol da manhã no corte da cama e da janela. Uma comparação pode ser a Mulher em uma janela (1872). Lá, uma figura feminina sentada tem seu perfil pintado próximo a janela – embora Degas opte por sombras elegantes e Hopper por luz lúcida.
Uma teoria de “forma pessoal”
Para Hopper, a representação do mundo era uma projeção de sua própria mente – e, nesse sentido, ele compartilhava afinidades com os movimentos de arte abstrata que aconteciam ao seu redor em Nova York durante as décadas de 1940 e 50. Embora Hopper zombasse infamemente de que nunca ouvira falar de Picasso em Paris, ele não evitou tanto a arte moderna quanto a amostra dele, quaisquer que fossem os elementos que desejasse. Nessa leitura, você quase consegue pensar na grande área de luz atrás dela como um balão vazio de quadrinhos. Considere como o fato de ocupar mais espaço na parede do que a janela real certamente faz com que a pintura seja lida como focada em seu mundo interior, e não no exterior.  Por sua parte, Hopper nunca realmente buscou a abstração, mas seus trabalhos tornaram-se cada vez mais planares, culminando em Sun In An Empty Room (1963), em que uma sala como a de Morning Sun ficou livre de tudo, menos da luz. “Acho que não sou muito humano”, dizia ele. “Tudo o que realmente quero fazer é pintar a luz do lado de uma casa.” É fácil ver como artistas expressionistas abstratos, como Mark Rothko, nomearam Hopper entre suas grandes influências.
A pintura traduz tranquilidade; O relacionamento por trás dela não era
O relacionamento do casal era tempestuoso, com Jo sacrificando suas ambições de gerenciar a carreira de Hopper enquanto mantinha registros meticulosos de suas obras, exposições e vendas concluídas – até chamando suas pinturas de “seus filhos”. Hopper, por sua vez, ridicularizou as pinturas de Jo e às vezes a proibia de mostrá-las. Uma vez que você perceba, a história de fundo pode dar um significado totalmente diferente para a solidão ambígua de Morning Sun. ( trechos texto por : Das Artes )

OBRAS DE ARTES E CONSULTORIA ESPECIALIZADA NO INVESTIMENTO EM ARTES, tem na TOPPO ARTES . 

Maiores Informações : (43) 99136-9777

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here