Há uma boa notícia para cidadãos idosos que gostam de ir ao museu: Pesquisas publicadas na semana passada pelo National Endowment for the Arts (NEA) descobriram que “adultos mais velhos” que participaram de eventos culturais, de exposições  à óperas, relataram melhor saúde mental e física do que aqueles que não. É claro que com a pandemia, todos os cuidados devem ser tomados.
Embora a pesquisa anterior tenha se concentrado principalmente na relação entre criação de arte e saúde,  pelos Dr. Kumar B. Rajan e  Dra. Rekha S. Rajan, o casal descobriu que aqueles que criaram tanto quanto assistiram a arte “relataram melhores resultados de saúde (taxas mais baixas de hipertensão e maior funcionamento cognitivo e físico) do que os adultos que não criaram nem assistiram arte.” Adultos que criaram arte ou participaram de exposições também “experimentaram taxas mais lentas de declínio no funcionamento cognitivo e físico na última década, e menor crescimento na hipertensão, em comparação com outros adultos mais velhos”.Graph from Staying Engaged Health Patterns of Older Americans Who Participate in the Arts, published by the National Endowment for the Arts, September 2017. Courtesy of the NEA. (-)
Para avaliar a saúde, o estudo analisou os “resultados mensuráveis” da função cognitiva, da capacidade física e da saúde cardiovascular. A saúde cognitiva foi medida por memória e funcionamento auto-relatados, enquanto a capacidade física foi avaliada em termos de limitações na atividade diária e saúde cardiovascular na hipertensão auto-relatada ou pressão alta.
Simplesmente se identificar com afirmações positivas sobre apreciar ou apreciar a arte também foi correlacionada com menores taxas de hipertensão, baixa incapacidade física e aumento da função cognitiva em geral.
Apreciar as artes também foi associado a uma menor taxa de declínio nas três áreas. Em termos de atitudes em relação à arte, Rekha Rajan disse que havia valor mesmo para os participantes que simplesmente relataram que apreciavam as artes ou apenas as viam como importantes.
A freqüência com que os adultos mais velhos fazem ou assistem arte também pode ser um fator. “O mais frequentemente que eles fazem essas atividades e os mais diversos tipos de atividades que eles fazem, parece correlacionar-se com um perfil mais saudável do que aqueles que fazem um número limitado dessas atividades”, disse Sunil Iyengar, diretor do Escritório de Pesquisa e Análise da NEA. “Então, isso sugere que a intensidade ou a dosagem de participações artísticas parece estar associada a esses benefícios”.
Ele admitiu, no entanto, esta pode ser uma situação do ovo ou a galinha. “É que as pessoas saudáveis se engajam mais com as artes ou é que os adultos que se engajam nas artes parecem ter os resultados mais saudáveis? “. A resposta “é provavelmente um pouco dos dois”, observou. “Na verdade, parece haver benefício mutuamente reforçador”.( por: Arteref )
Anuncie na TOPPO EXPRESS. Fale Conosco: (43) 99136-9777 
 
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here