Como a pandemia fez parque de esculturas em Nova York, se tornar sensação

0
132
Neste momento, a vista do topo do Museu Hill no Storm King Art Center é uma das vistas mais procuradas no norte de Nova York. Sem dúvida, seu entorno natural faz parte de seu fascínio: o pitoresco Vale hudson é visível abaixo. Mas instalações internas também podem ser vistas, e do topo da colina, a escultura de Mark di Suvero, pyramidian (1987-98) pode ser percebida subindo contra o horizonte.
Há galerias internas nas proximidades, mas Storm King não é um museu estático. Ao longo de seus 60 anos de história, o parque de esculturas mais do que dobrou de tamanho, com suas fronteiras ocupando atualmente cerca de 500 acres. Suas ambições curatoriais também cresceram, e sua paisagem agora acomoda peças permanentes e efêmeras. Durante a pandemia atual, com museus fechados parecendo menos atraentes, o centro de arte tornou-se um destino — os ingressos estão agora se esgotando com semanas de antecedência, tornando o Storm King um dos espaços de arte mais quentes de Nova York no momento.
Mas antes de se tornar a sensação que é atualmente, Storm King começou relativamente pequeno. “O projeto começou como uma instituição liderada pela família”, disse John Stern, presidente da Storm King desde 2008, à ARTnews. “Meu avô começou isso a partir de seu amor pelas Terras Altas de Hudson.”
Quando compraram a propriedade Vermont Hatch em Mountainville, em 1959, que mais tarde se tornaria Storm King, os fabricantes de metal Ralph “Ted” Ogden e H. Peter Stern vislumbraram uma operação mais modesta. Ogden planejou um museu interno dedicado às pinturas da Escola do Rio Hudson, a ser alojada no castelo de pedra de inspiração francesa no terreno. Nada na área era perfeito, no entanto: a propriedade estava em desuso; a construção do Thruway do Estado de Nova York tinha deslocado milhões de metros quadrados de cascalho das terras agrícolas para o local; e cedros próximos foram sufocados com videiras e hera venenosa.
Stern, genro de Ogden, gerenciava o lado administrativo da operação, enquanto Ogden guiava a estética com a ajuda do paisagista William A. Rutherford, Sr. Juntos, eles preenchiam depressões, suavizavam a encosta, construíam passarelas e restauravam os jardins. Mais tarde, foi decidido que os Pinheiros Vermelhos doentes seriam substituídos por Pinheiros Brancos anualmente.(…)
Hoje, uma equipe de instalações com menos de uma dúzia de membros mantém o complexo gigante. Eles aparam árvores, replantam a flora nativa e reformam as esculturas. Atualmente, o terreno contém cerca de 115 esculturas, incluindo instalações permanentes de Alexander Calder, Sol DeWitt, Isamu Noguchi e Nam June Paik. A curadora sênior do Storm King, Nora Lawrence, explicou que os artistas comissionados são encorajados a criar obras em conjunto com o meio ambiente, com a compreensão de que as demandas da terra podem modificar o resultado final. (O clima mercurial do norte de Nova York exerce sua própria vontade, também.)
Ao contrário dos museus convencionais, o Storm King enfrentará mais ameaças nos próximos anos, já que as mudanças climáticas exigem novas estratégias de preservação. Enquanto isso, a instituição enfrenta desafios como manter sua programação constante. (por: Das Artes)

ANUNCIE NA TOPPO EXPRESS. 

MAIORES INFORMAÇÕES: (43) 99136-9777

PROMOÇÕES DA TOPPO ARTES. CLIQUE AQUI.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here